Subordinação e nominalização em Karitiana (Tupi)

Autores/as

DOI:

https://doi.org/10.56683/rs222125

Palabras clave:

subordinação, nominalização, karitiana, Tupi

Resumen

As orações subordinadas do karitiana exibem diversas características nominais, como uma série de afixos típicos de sintagmas nominais. Além disso, elas não dispõem de alguns núcleos funcionais específicos de orações, como tempo e modo (Storto 1999). A formação de perguntas QU- também revela um comportamento próximo a sintagmas nominais: primeiro, as subordinadas exigem o deslocamento de toda a oração contendo o pronome interrogativo; segundo, toda a oração funciona como uma espécie de pronome interrogativo complexo, pois o caso relevante para a construção da pergunta é aquele da oração subordinada e não o do elemento QU-. Contudo, apesar de apresentarem semelhanças com sintagmas nominais, Rocha (2016) questiona a proposta de nominalização por as subordinadas demonstrarem outros comportamentos oracionais, a saber: fenômenos de alteração de valência, núcleos funcionais evidenciais e aspectuais, bem como modificadores adverbiais. Propomos então uma estrutura sintática que mescla núcleos funcionais de natureza nominal e oracional, seguindo trabalhos da sintaxe gerativa que atribuem comportamentos sintaticamente ambíguos a diferentes combinações de núcleos funcionais (Borsley & Kornfilt 2000; Baker 2011; Kornfilt & Whitman 2011; Alexiadou et al. 2013). Especificamente, as subordinadas do karitiana conteriam a projeção nominal nP acima de uma série de núcleos oracionais/verbais, como AspP, EvidP, VoiceP e vP, e essa estrutura interna mista capturaria concomitantemente suas características nominais e oracionais/verbais.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Biografía del autor/a

Karin Camolese Vivanco, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Karin Camolese Vivanco es Profesora en la Universidad Federal de Rio Grande do Sul (Brasil) y doctora por la Universidad de São Paulo (Brasil), con una estadía en el Massachusetts Institute of Technology (EUA). Realiza su investigación en el área de la sintaxis y las lenguas indígenas brasileras.

Citas

Alexiadou, A., Iordachioaia, G. e Schäfer, F. (2013). Scaling the variation in Romance and Germanic nominalizations. Em P. Sleeman e H. Perridon (Eds.), The Noun Phrase in Romance and Germanic: Structure, variation, and change (pp. 25-40). John Benjamins.

Baker, M. (2011). Degrees of nominalization: Clause-like constituents in Sakha. Lingua, 121(7), 1164-1193.

Borsley, R. e Kornfilt, J. (2000). Mixed extended projections. Em R. Borsley (Ed.), Syntax and semantics 32: The nature and function of syntactic categories (pp. 101–131). Academic Press.

Cable, S. (2010). Against the existence of pied-piping: Evidence from Tlingit. Linguistic Inquiry, 41(4), 563–594.

Cable, S. (2012). Pied-piping: introducing theoretical approaches. Language and Linguistic Compass, 6(12), 816–832.

Cable, S. (2013). Pied-Piping: Comparing Two Recent Approaches. Language and Linguistics Compass, 7(2), 123-140

Comrie, B. e Thompson, S. (2007). Lexical nominalization. Em T. Shoppen (Ed.), Language Typology and Syntactic Description vol. III: Grammatical Categories and the Lexicon (pp. 334 - 381). Cambridge University Press.

Everett, C. (2006). Patterns in Karitiana: Articulation, perception, and grammar [Tese de Doutoramento, Rice University]. https://scholarship.rice.edu/handle/1911/20600

Ferreira, L. F. (2017). Modo em Karitiana [Tese de mestrado, Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-05012018-113610/pt-br.php

Heck, F. (2008). On pied-piping: Wh-movement and beyond. Walter de Gruyter.

Heck, F. (2009). On certain properties of pied-piping. Linguistic Inquiry, 40(1), 75-111

Horvath, J. (2006). Pied-piping. Em M. Everaert e H. V. Riemsdijk (Eds.), The Blackwell Companion to Syntax (pp. 570-630). Blackwell Publishing.

Kornfilt, J. e Whitman, J. (2011). Afterword: Nominalizations in syntactic theory. Lingua, 121(7), 1297–1313.

Landin, D. (1984). An outline of the syntactic structure of Karitiana sentences. Estudos sobre línguas Tupi do Brasil, 219-254.

Landin, D. (2005). Dicionário e léxico karitiana/português. Sociedade Internacional de Linguística.

Leite, Y. (1990). Para uma tipologia ativa do Tapirapé. Cadernos de estudos linguisticos, 18, 37–56.

Navarro, E. (2013). Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. Global.

Praça, W. N., Magalhães, M. M. S. e da Cruz, A. (2017). Indicativo II da família Tupi Guarani: uma questão de modo? LIAMES: Línguas Indígenas Americanas, 17(1), 39–58.

Queixalós, F. (2006). The primacy and fate of predicativity in Tupi-Guarani. Em X. Lois e V. Vapnarsky (Eds.), Lexical categories and root classes in Amerindian languages (249-288). Peter Lang.

Rijkhoff, J. & Lier, E. (2013). Flexible word classes in linguistic typology and grammatical theory. Em J. Rijkhoff e E. Lier, (Eds.), Flexible word classes: typological studies of underspecified parts of speech (pp. 1-30). Oxford University Press.

Rocha, I. (2011). A Estrutura Argumental da Língua Karitiana: desafios descritivos e teóricos [Dissertação de mestrado, Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-12092012-120027/pt-br.php

Rocha, I. (2016). Não-finitude em Karitiana: subordinação versus nominalização. [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo]. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8139/tde-25102016-122036/pt-br.php

Rocha, I. e Vivanco, K. (2012). O nominalizador -pa em Karitiana: o caso das sentenças de cópula. Apresentação no X Círculo de Estudos Linguísticos do Sul. Manuscrito.

Rodrigues, A. (1986). Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. Edições Loyola.

Rodrigues, A. (1999). Tupí. Em R. Dixon e A. Aikhenvald (Eds.), The Amazonian Languages (pp. 107-124). Cambridge University Press.

Rodrigues, A. (2013). Argumento e predicado em Tupinambá. Revista Brasileira de Linguística Antropológica 3(1), 93–102.

Ross, J. (1967). Constraints on variables in syntax [Tese de doutorado, Massachusetts Institute of Technology]. https://dspace.mit.edu/handle/1721.1/15166

Ross, J. (1972). The category squish: Endstation Hauptwort. Papers from the Eighth Regional Meeting of the Chicago Linguistic Society, 8, 316-328.

Ross, J. (2004). Nouniness. Em B. Aarts, D. Denison, E. Keizer e G. Popova (Eds.), Fuzzy grammar: A reader (pp. 351-422). Oxford University Press on Demand.

Storto, L. (sem data). Ritos fúnebres [Manuscrito].

Storto, L. (1999). Aspects of a Karitiana grammar [Tese de doutorado, Massachusetts Institute of Technology]. https://dspace.mit.edu/handle/1721.1/9702

Storto, L. (2002). Algumas categorias funcionais em Karitiana. Línguas indígenas brasileiras: fonologia, gramática e história. Atas do I Encontro Internacional de Grupos de Trabalho sobre Línguas Indígenas da ANPOLL. Brasília.

Storto, L. (2007). Anáfora ta- em Karitiana [Manuscrito].

Storto, L. (2008). Marcação de concordância absolutiva em algumas construções sintáticas em Karitiana. Ameríndia, 32, 183-203.

Storto, L. (2010). Copular Constructions in Karitiana: a case against case movement. University of Massachusetts Occasional Papers 41, 205-226.

Storto, L. (2012). Subordination in Karitiana. Ameríndia, 35, 219-237.

Storto, L. (2018). Negation in Karitiana. Em L. Matthewson, E. Guntly, M. Rochemont e M. Huijsmans (Eds.), Wa7 xweysás i nqwal´utteníha i ucwalmícwa: He loves the People´s language: Essays in honour of Henry Davis (pp. 227-240). University of British Columbia Occasional Papers in Linguistics 6.

Storto, L. (no prelo). Não havia mais homens. Hedra.

Storto, L. e Baldi, P. (1994). The Proto-Arikem Vowel Shift. Apresentação oral no Linguistics Society of America. Boston.

Storto, L. e Rocha, I. (2014). Strategies of valence change in Karitiana. Em F. Queixalós, S. Telles e A. C. Bruno (Eds.), Incremento de Valencia em las lenguas amazónicas (pp. 51-69). Instituto Caro y Cuervo.

Storto, L. e Rocha, I. (2018). Inventário sociolinguístico da Língua Karitiana. INDL (Inventário Nacional da Diversidade Linguística), IPHAN-MPEG.

Storto, L. e Vivanco, K. (2021). Anaphora and subordination in Karitiana. Boletim do Museu Paraense de Ciências Humanas, 16 (3), 1-20.

Vivanco, K. (2018). Movimento QU-, subordinação e ordem de palavras em Karitiana [Tese de doutorado, Universidade de São Paulo].

Vivanco, K. e Bassa Vanrell, M. (2021). Temporal interpretations of negation in Karitiana. Apresentação no 25th Workshop on Structure and Constituency in Languages of The Americas. Sogang University, Coreia do Sul (online).

Publicado

2022-09-02

Cómo citar

Camolese Vivanco, K. (2022). Subordinação e nominalização em Karitiana (Tupi). RASAL Lingüística, (2), 125–154. https://doi.org/10.56683/rs222125

Número

Sección

Dossier